10 Dicas para se tornar um freelancer melhor e bem-sucedido

Algumas dessas dicas vão aparecer como senso comum, mas podem ser o lembrete que você precisa para refinar seu processo de trabalho. Espero que você possa realmente encontrar algo valoroso nessas dicas, não importa onde você esteja com sua carreira carreira como freela.

1. Use um contrato para cada projeto

Como você junta ou encontra o contrato certo para cada trabalho? Muitos freelancers ficam presos nos detalhes dos contratos e, em última instância, desperdiçam muito tempo que deve ser gasto ganhando dinheiro.

Tudo o que você precisa por enquanto é um acordo geral que abrange alguns termos básicos, porém importantes, que você e o cliente precisam concordar. Na sua forma mais simples, os termos do contrato devem abranger:

  • O trabalho que você produz é original e não plagiado;
  • As informações proprietárias do cliente permanecem confidenciais;
  • Seus termos de pagamento. (Quanto você receberá o pagamento e quando durante o processo);
  • Que, uma vez que o cliente aceita o trabalho concluído, eles aceitam a responsabilidade total por quaisquer outros processos nos quais o trabalho é usado (por exemplo, imprimir, colocar logo para usar, etc.);
  • Você e o cliente têm o direito de encerrar os serviços e o que isso implica para você.

Ter alguns termos básicos em vigor para cada projeto ajudará a protegê-lo, mas o mais importante, ajudará a informar o cliente de como você trabalha.

Depois de ter seu contrato feito, seu cliente pode então imprimir, assinar e retornar fisicamente, ou assinar digitalmente.

2. Trabalhe sempre com um sinal  (adiantamento do pagamento)

Um dos maiores problemas que você ouve sobre freelancing é que o profissional não está sendo pago a tempo ou está sendo enrolado pelo cliente.

Para garantir 100% do pagamento, você deve exigir um adiantamento. Elabore uma porcentagem da qual você cobrará antes mesmo de iniciar o JOB, aconselho que seja de 20% até 50%.

Se o cliente tiver um problema com isso, então isso deve gerar uma bandeira vermelha. Além disso, exigindo um adiantamento, o projeto não progride sem ele, então você nunca arrisca um pagamento tardio novamente.

3. Não tenha medo de dizer “não”

Dizer que não é difícil, especialmente se você é como eu – você é generoso e quer que as pessoas se sintam felizes trabalhando com você. Você não quer decepcionar ninguém, então você oferece ajuda de qualquer maneira que você puder, não considerando a carga extenuante que irá colocar em você.

Não importa o que você faça, você irá decepcionar alguém. Seja para o cliente, porque você não consegue entregar a meio do projeto, sua família porque está trabalhando por longas horas, ou você mesmo porque está tão estressado com o trabalho que você escolheu para assumir. Então, você deve se sentir confortável com a recusa do trabalho se, em última análise, não é para você ou sua disponibilidade. Para ajudar a determinar se você deve assumir um projeto, faça estas perguntas:

  • Eu especializo-me no trabalho que esse cliente precisa?;
  • Por que estou levando esse projeto? É um compromisso que eu deveria estar fazendo?;
  • Por que estou adicionando esse projeto no meu portfolio?;

A pior coisa sobre assumir tudo o que vem a sua frente é que você pode ficar cheio de JOBs, mas com vários JOBs não aproveitáveis e difíceis de se fazer. Você ficará estressado, ansioso e a pior parte, não terá tempo para assumir oportunidades melhores que o futuro reserva.

Na próxima vez que você conseguir um projeto, não responda com um sim. Realmente considere a oportunidade, faça as perguntas acima e prossiga com uma decisão consciente para o seu futuro e bem-estar.

4. Trate-se como um negócio.

Ao focar sua identidade de marca e o tipo de projetos que você assume, isso tornará tudo muito mais fácil para você – do marketing para fazer o trabalho de design real.

Escolha um ou dois serviços para se especializar, e apenas assumir o trabalho que cai nessas categorias. Em seguida, passe o resto.

Depois de decidir os serviços em que você se especializou, certifique-se de traduzir isso na sua marca. Reformulhe tudo no seu site para essas palavras-chave e frases, apenas mostre esse tipo de trabalho em seu portfólio freelance e comece a produzir conteúdo em torno desses serviços para provar seus conhecimentos. Tudo isso é um subproduto do marketing, o que, por sua vez, direcionará o tráfego e os novos projetos freelance.

5. Apresente o tipo de trabalho que você quer conseguir

Esta dica vai de mãos dadas com a dica anterior de focar seu negócio freelancer, mas acho que é um tema que vale a pena elaborar.

Muitos freelancers cometem o erro de preencher seu portfólio com o trabalho apenas para mostrar que eles têm algum tipo de habilidade em design. Mas na maioria das vezes, o trabalho acaba de sair como em todo o lugar, e só irá fazer o seu portfólio um desservi.

Há uma diferença entre um portfólio de negócios freelance e um portfólio escolar. Seu portfólio independente deve conter apenas o trabalho em que você se especializa e deseja continuar aceitando pelo trabalho do cliente. O trabalho pode consistir no passado do trabalho do cliente ou mesmo no trabalho pessoal.

Digamos que você se especialize no design do logotipo – se é o que você quer ser conhecido, então você deve mostrar apenas projetos de logotipo em seu portfólio freelancer. Isso será o que atrai e ajuda os futuros clientes a decidir ir com você sobre outro designer freelancer cujo portfólio pode estar em todo o lugar.

6. Seja transparente com seus clientes

Como freelancer, seu negócio é apenas você executando-o de dentro para fora. Isso é algo com o qual você deve se orgulhar, então não se esconda atrás de uma fachada. Seja o nome e o rosto do seu negócio, porque sua empresa é você.

Do ponto de vista de um cliente, se eu fosse contratá-lo para prestar um serviço, gostaria de saber para quem eu estou dando meu dinheiro. Portanto, certifique-se de injetar quem você está na sua marca. Você pode moldar isso, como quiser, mas a chave é ser agradável.

Além disso, quando um cliente está interessado em trabalhar com você, seja transparente ao conversar com ele. Se vão contratá-lo, explique-lhes como seu processo funciona. Mostre seu interesse neles e seus negócios, então quebrar o que eles podem esperar trabalhando com você passo a passo. Isso ajuda a criar confiança e pode ser o que selou o negócio em um projeto proposto.

7. Escreva, escreva e escreva

Esta é a dica mais importante que posso dar para levar seu negócio ao próximo nível – e isso é para escrever. Não me importo se você não acha que você é um bom escritor. Escrever é a porta de entrada para obter o seu nome lá fora, ter clientes para encontrar você e realmente crescer como um indivíduo e freelancer.

Eu, pessoalmente, não acho que sou um grande escritor. A boa escrita  vem com a prática. Eu devo tudo o que realizei no ano passado à minha escrita. Tudo o que eu faço – seja uma postagem de blog, uma newsletter, um e-book, um vídeo ou um email para um cliente – tudo começa com a escrita.

Se você quer um resumo completo sobre porque a escrita é imperativa para o seu freelance, então eu recomendo que você assista este vídeo por Sean McCabe: versions 039: tudo isso começa com a escrita

8. Concentre-se no agora

Você sabe onde você quer chegar um dia, então, concentre-se no que você pode fazer agora para acabar lá. Muitos freelancers ficam pendurados em invejar aqueles que eles aspiram.

Se você deseja ter uma base de clientes confiável, um produto que pode ajudar a complementar sua renda, ou se você não quiser confiar em um único cliente para ganhar a vida, então, o que você está fazendo hoje para fazer isso acontecer?

Faça uma lista de tarefas diárias com pequenas tarefas que você pode completar facilmente até o final do dia. Progresso é progresso, e se você começar a dar um passo de cada vez para seus objetivos de longo prazo, mais cedo você chegará lá.

Você também pode se interessar por:

9. Conheça seus números

Seus esforços como freelancer devem ser tratados como um negócio e, como negócio, você precisa conhecer seus números. Tal como:

  • Receita de negócios (quanto você precisa fazer por mês para viver?);
  • O tráfego do site (de onde vem? Qual é o seu conteúdo mais popular?);
  • Taxas de conversão de links e interatividade de conteúdo (O que as chamadas para ação estão funcionando? Quais páginas não estão recebendo visualizações e precisam ser completamente removidas?).

Conhecer esses números irá esclarecer as áreas que estão funcionando para você e quais as áreas que precisam ser melhoradas. Por exemplo, dê uma olhada em sua receita mensal. Descubra onde a renda do seu negócio provém (clientes, tipo de projetos, renda passiva) e concentra-se mais nas áreas que produzem mais resultados.

Veja onde a maior parte do seu tráfego vem ou o tipo de conteúdo é mais popular, então faça mais disso. Por exemplo, se você estiver recebendo muito tráfego de uma postagem de convidado que você escreveu, alcance e escreva outra postagem de convidado.

10. Divida sua renda por impostos e poupança

Se você é sério com seu negócio, então comece a separar sua renda e economizar. Eu mesmo não consigo levar esses percentuais a risca, mas tento e aconselho que seja de tal forma:

  • 12% para negócios (para despesas relacionadas a negócios);
  • 20% para os Impostos Comerciais;
  • 12% para Poupança Pessoal.

Não estou dizendo que esta é a maneira de lidar e dividir suas finanças, mas é o que, na medida do possível, funciona para mim. O que é importante aqui é colocar um mínimo de 20% de cada real obtido em relação aos impostos. É o mesmo conceito de um empregador que tira impostos da sua folha de pagamento. Uma vez que chega o tempo de imposto, você usará essas economias para pagar o que é devido.

Conclusão

Minhas dicas não são o fim e tudo bem para o freelance, mas, honestamente, eu gostaria de saber quando eu estava começando. Desde que coloquei essas dicas no meu processo de trabalho, vi um grande crescimento, e espero que você tenha conseguido escolher algum valor com elas.

Assine nossa newsletter

Comentários

comentários

Enviado por Daniel Henrique

Publicitário pela Universidade Regional de Blumenau. Coordenador de conteúdo na Spitze Network.